Gêneros multimodais, multiletramentos e ensino.

ISBN 978-85-7993-661-6

Autor/Organizadores: Ana Maria Pereira Lima; João Bosco Figueiredo-Gomes; José Marcos Rosendo de Souza

APRESENTAÇÃO

A obra Gêneros multimodais, multiletramentos e ensino consiste em uma compilação de trabalhos que se materializou em dois momentos: a realização da experiência de estágio pósdoutoral em que, foi ministrada a disciplina “Tópicos Avançados em Estudo do Texto e do Discurso: estratégias argumentativas dos textos verbo-imagéticos”, na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), em 2018, quando os alunos foram estimulados a apresentarem diferentes perspectivas de análise para os memes e para alguns outros gêneros nos quais a multimodalidade se fez presente como elemento articulador de significados. A outra atividade consistiu da VI edição do Colóquio Nacional de Hipertextos – CHIP, ocorrido nos dias 05 e 06 de setembro de 2018, em Limoeiro do Norte, Ceará. O evento foi coordenado pelos organizadores desse livro e como os temas dialogavam entre si, isso tornou possível a reunião desse material.

Contando com autores experientes de diferentes universidades e com outros ainda em seus processos de iniciação no universo de produção de textos para a divulgação de pesquisas, o livro apresenta um interessante panorama que subsidia professores de línguas (materna, estrangeiras e Libras), para o trabalho com textos verbo-visuais. Ao mesmo tempo que apresenta possibilidades de pesquisas para trabalhos futuros.

Tendo isso em vista, a obra apresenta-se dividida em quatro seções: Gêneros e aplicativos, Memes, Livro didático e multiletramentos e formação de professore, totalizando 36 artigos. O que demonstra a diversidade de olhares sobre matérias desafiadoras e carentes de bibliografia.

Na primeira seção, temos artigos que versam sobre charges políticas, Facebook, Ferramenta GoldVarb como proposta de análise de textos, aplicativos de conversas virtuais, jornais digitais. Essa miscelânea torna possível ao leitor caminhar entre métodos e gêneros para o reconhecimento de múltiplas possibilidades para a compreensão de como a inserção das tecnologias conseguiu redimensionar práticas discursivas acadêmicas e cotidianas, configurandoas em importante ferramenta para o universo escolar e e acadêmico.

Os memes em perspectivas que variam de objeto de análise para referendar teorias do discurso e/ou funcionalistas, estão presentes na segunda seção. Nesse espaço, o leitor será conduzido por caminhos instigantes de compreensão dos memes como textos que representam na cultura contemporânea um espaço para a circulação de diversos discursos em intrincados processos de composição.

Para a terceira seção, o Livro didático conduz as discussões, manifestando seu papel como ferramenta ainda central do trabalho docente. Embora, possamos caracterizá-lo como um antigo parceiro do professor, o livro didático ainda apresenta muito a desvelar sobre as linguagens que por ele transitam, os gêneros que mobiliza, os discursos que nele se instauram para representar o mundo para milhões de estudantes, fazendo de pesquisas sobre esse material sempre bem-vindas ao estudante que se encontra em fase de formação inicial, bem como para aqueles que já se encontram em atividade, suscitando olhares diferentes e novas possibilidades.

A quarta e última seção corresponde àquela que se preocupa na formação de professores de forma mais contundente, pois ao trazer à tona a pedagogia dos multiletramentos como proposta de saídas para impasses na aula de línguas, os autores buscam em seus artigos, esclarecer os 10 pressupostos teóricos, alinhando-os às propostas de aplicação, além de remeter a leituras críticas de documentos oficiais norteadores do ensino no Brasil.

Compreendendo uma gama diversificada de abordagens para os temas que remetem ao trabalho com gêneros multimodais em uma perspectiva clara de língua em uso, requerendo conhecer teorias e metodologias que lancem luzes sobre o trabalho docente na contemporaneidade. Diante do exposto, ficam os votos de uma leitura agradável, prazerosa, e, sobretudo, que contribua para reavaliarmos e ressignificarmos nossas práticas docentes e a forma como concebemos a necessária inclusão das tecnologias digitais, o que delas advém. Assim como a compreensão das diferentes linguagens que precisam também fazer parte de nossas práticas, uma vez que elas se encontram em nossas atividades sociais e discursivas dentro e fora dos muros escolares.

Deixe uma resposta