Andanças (entre) lugares: 10 notas de pesquisa sobre a Amazônia Paraense.

ISBN 978-85-7993-537-4

Autor/Organizadores: Marcos Murelle Azevedo Cruz; Jocenilda Pires de Sousa do Rosário; Samuel Antônio Silva do Rosário; Daniel dos Santos Fernandes

PREFÁCIO

Na obra ‚Andanças (entre) lugares: 10 notas de pesquisa sobre a Amazônia Paraense‛ vislumbramos um conjunto de trabalhos de importante qualidade acadêmica, que, como o próprio título já aponta, buscam utilizar uma abordagem entre diferentes campos do conhecimento em busca de um fortalecimento teórico e metodológico das análises realizadas na e sobre a Amazônia brasileira. História, literatura, antropologia, física, educação, sãoalgumas das {reas de conhecimento que estão presentes nas ‚dez notas de pesquisa‛ aqui apresentadas em artigos que tem como eixo em comum, diversas temáticas que envolvem a Amazônia, em suas dinâmicas religiosas, literárias, históricas e antropológicas.

Fruto de pesquisas de professores e alunos ligados ao Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia (PPLSA), somos agraciados com um conjunto de trabalhos que nos instigam a conhecer um pouco mais de uma Amazônia que está em constante reconstrução histórica e cultural.

Para início de percurso, no Capítulo 1, nos deparamos com temas que apresentam as mais diferentes faces do caleidoscópio amazônico, a imagem e o imaginário são os motes de dois importantes trabalhos, um sobre mosaicos presente na catedral da cidade de Castanhal-PA, e os significados religiosos evocados na iconografia cristã, e um segundo sobre as imagens do caminho do segredinho, ambos apresentam a forma como imagem e imaginários são elementos importantes para entender a religiosidade e a relação das pessoas com o místico e o fantástico.

Na sequência, no Capítulo 2, temos outros dois trabalhos que marcam as discussões sobre os saberes e fazeres em comunidade tradicionais, ribeirinhas e indígenas, e suas experiências de construção de conhecimento tradicional, seja na pesca, agricultura ou ainda na construção de objetos de cerâmica. Ressaltando e apresentando os saberes existentes em diferentes comunidades tradicionais das regiões Amazônicas, que compartilham de práticas particulares que vislumbram desde a constituição de objetos aos modelos de organização escolar de grupos indígenas.

Seguindo ainda pelo campo da literatura, no Capítulo 3, temos um conjunto de três trabalhos que possuem como foco as construções literárias ou narrativas de viagens, e também elementos das memórias, compartilhadas através da oralidade.

Assim, é na obra de José Veríssimo que encontramos uma importante análise da recepção da obra Cenas da Vida Amazônica, o que possibilita pensar na própria noção de Amazônia, ou ainda na cronística de Gaspar de Carvajal e as construções sobre os processos de colonialidade presente nos discursos apresentados em tais crônicas. Esse primeiro conjunto de trabalhos se completam com um análise das narrativas do mito do Ataíde, e a importância do mesmo para a construção da relação dos sujeitos com o manguezal e da relação entre humanos e não humanos e entidades míticas presentes em espaços ambientais como os manguezais.

Por fim, no Capítulo 4, os três últimos trabalhos que fecham o livro trazem como temas a questão da religiosidade e identidade enquanto elementos estruturantes da sociedade amazônica, que se apresenta, seja nos batuques de umbanda no Terreiro de Mãe Terezinha, ou nas ressignificações da festa da Marujada e na fé no São Benedito ou ainda nas tensões vivenciadas na construção da identidade quilombola a partir da poética negra presente no quilombo de Tipitinga.

O livro organizado por Marcos Murelle, Jocenilda Rosário, Samuel Rosário e Daniel Fernandes é um convite a um passeio por uma Amazônia que ainda tem muito a ser estudada, apresentando alguns dos direcionamentos de pesquisas dos mestrandos do

PPLSA e de alguns professores desse respectivo programa, mas é também um conjunto de análises importantes para entendermos as dinâmicas de construção de novas identidades em tempos de profundas mudanças sociais.

Identidades estas que apresentam uma sociedade amazônica cercada de simbolismos e significações diferenciadas que configuram as particularidades do fazer e dos saberes que são compartilhados com as proximidades dos respectivos contextos estudados. Um passeio por uma Amazônia que se apresenta traduzida em dez notas de pesquisa, e que permitem visualizar configurações socioculturais que marcam um tempo e espaço diferenciados. Traduzindo um contexto rico em saberes locais, representado através de realidades que se constroem e (re) configuram tanto através de seus fazeres artesanais, quanto a partir da disseminação de seus mitos, construindo, assim, um espaço aberto para dinâmicas globais.

Bragança, 02 de julho de 2018.

Luis Junior Costa Saraiva

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Linguagens

e Saberes na Amazônia (PPLSA/UFPA)

Deixe uma resposta