Educação especial no campo: interculturalidade, inclusão e estudos surdos na Amazônia tocantina

ISBN 978-85-7993-596-1

Autor/Organizadores: Waldma Maíra Menezes de Oliveira; Tiago Corrêa Saboia; Cyntia França Cavalcante de Andrade Silva

APRESENTAÇÃO 

O Grupo de Estudos Surdos na Amazônia Tocantina – GESAT – realiza, anualmente, o Seminário Nacional sobre a interface dos Estudos Surdos com a Gênese da Interculturalidade Crítica presente no pensamento freireano. O Seminário já está em sua quarta edição e vem apresentando uma pluralidade de experiências e pesquisas no campo da surdez enquanto perspectiva socioantropológica, epistemológica e ontológica. 

O IV Seminário de Educação dos Surdos na Amazônia Tocantina – IV SESAT – ilustrou pesquisas acerca da constituição identitária de Surdos quilombolas, ribeirinhos e indígenas à luz das categorias fundantes freireanas: Opressor/Oprimido, Desumanização/

humanização, Dialogicidade, Cultura, Alteridade, Tolerância, Amorosidade e Unidade na Diversidade. 

O evento foi realizado de 19 a 21 de setembro, na Universidade Federal do Pará, Campus Cametá. Contou com pesquisadores renomados da área da Surdez, como: Profa. Dra. Cristina Lacerda (UFSCar), Prof. Esp. Jonatas Medeiros (UFPR), Profa. Ma. Kátia Santos (UEPA), Prof. Me. Huber Kline (UFPA), Profa. Ma. Cyntia França (UEPA), Prof. Me. Lucival da Silva (UFPA) e Profa. Dra. Eleny Cavalcante (UFOPA). 

Somando-se as mesas redondas, palestras e conferências, o IV SESAT contou com 05 (cinco) Grupos de Trabalhos (GT), sendo eles: 1) Estudos em Educação, Surdez e Libras; 2) Educação Inclusiva no Campo; 3) Interculturalidade e Surdez; 4) Mulheres, Diversidade e Inclusão no Objeto da Surdez e 5) Políticas Públicas e Inclusão Socioeducacional em Diversos Níveis de Ensino. 

Foram 38 (trinta e oito) trabalhos submetidos e aprovados nos 05 GT descritos, 30 (trinta) trabalhos apresentados e, para a publicação desta obra intitulada Educação Especial no Campo: interculturalidade, inclusão e estudos surdos na Amazônia Tocantina, foram selecionados 27 (vinte e sete) artigos distribuídos nos seguintes GT’s: 

O primeiro GT intitulado Estudos em Educação, Surdez e Libras objetiva discutir sobre as práticas docentes e sua atuação na educação inclusiva de educandos surdos. Somando-se ao debate, as pesquisas trazem mais dois sujeitos que promovem a inclusão socioeducacional deste grupo: o intérprete e a família do surdo. Assim, os 05 (cinco) artigos, Diagnóstico do Processo de Inclusão de Alunos Surdos numa Escola de Tempo Integral Inclusiva no Município de Abaetetuba-Pa; O Ensino da Língua Portuguesa para Alunos Surdos no Município de Igarapé-Miri/Pará; O Ensino da Matemática para Alunos Surdos: A Prática Docente em uma Escola de Moju-Pa; O Intérprete de Libras em uma Escola Inclusiva em Moju-Pa e Mãe, meu Ouvido é Pequeno? Um Memorial Descritivo sobre Inclusão, apresentam os desafios e possibilidades ao processo de inclusão e de acessibilidade, no âmbito socioeducacional, do sujeito surdo. 

O segundo GT nomeado Educação Inclusiva no Campo apresenta a interface legal, teórica e conceitual entre a Educação Especial e a Educação do Campo. Outrossim, as 04 (quatro) pesquisas, A Importância da Atuação do Instrutor de Libras enquanto Consolidação das Políticas Públicas para a Inclusão no Campo; A presença do movimento social na educação do campo na perspectiva da inclusão; As Marcas do Aluno Surdo no Processo de Ensino Aprendizagem do/no Campo; Educação de Surdos Ribeirinhos: Um Estudo de Caso sobre os Desafios Enfrentados na Inclusão Educacional, ilustram os limites e os desafios no processo de inclusão educacional do surdo ribeirinho e a formação de instrutor de Libras para atender esse alunado do campo. 

O terceiro GT denominado Interculturalidade e Surdez objetiva vincular o pensamento intercultural crítico presente nas obras de Paulo Freire com os Estudos Surdos. Para tanto, os 05 (cinco) trabalhos apresentam algumas categorias fundantes: Opressor/Oprimido, Cultura do silêncio/Cultura de resistência, Ser social dialógico/Antidialógico e Humanização/

Desumanização. Assim os trabalhos, A Consciência Criadora Freireana e suas Contribuições a Comunidade Surda; A Inclusão de Surdos numa Perspectiva Intercultural; A Interculturalidade e Surdez: Contribuição Freireana nos Estudos Surdos; A Interculturalidade no Processo Educacional de Surdos no Brasil; Educação, Interculturalidade e Surdez sob a Ótica de Paulo Freire, exemplificam as contribuições da interculturalidade crítica, presente no pensamento freireano, para o campo dos estudos surdos. 

O quarto GT denominado Mulheres, Diversidade e Inclusão no Objeto da Surdez apresenta, em sua maioria, pesquisas de cunho bibliográfico sobre a interface do sujeito surdo com os seguintes objetos de estudo: Mulheres, Negritude, Ribeirinho, Comunidade LGBT. Assim, os trabalhos realizam um estado da arte sobre as produções de teses e dissertações sobre o indivíduo surdo negro, mulher, homoafetivos e ribeirinhos. Desse modo, os 08 (oito) trabalhos, Uma Abordagem a Respeito da Construção Identitária de Sujeitos Surdos-Homossexuais; Discurso e Prática na Inclusão de Alunos Indígenas Surdo na Escola Wararaawa Assurini na Aldeia Trocará no Município de Tucuruí-Pá; Educação e Surdez: Estado da Arte sobre Surdez/Ribeirinho; Estado da Arte para a Educação de Surdos Ribeirinhos; Indígena e Cultura Surda: Um Estado da Arte do Período de 2008 a 2018; Marcos Históricos e Legais da Educação do Campo e da Educação Especial; Mulheres Surdas: Uma Análise acerca da Identidade e Surdez e Negritude: Reflexões sobre os Estudos dos Sujeitos Surdos/Negros em Pesquisas Acadêmicas, ilustram a diferença surda para além das narrativas sobre a Libras e as experiências escolares. As pesquisas desse GT ampliam as discussões acerca da surdez para um campo dos movimentos sociais, resistência surda e protagonismo surdo interligado às demarcações geográficas, culturais e linguísticas. 

O quinto GT chamado Políticas Públicas e Inclusão Socioeducacional de Surdos em Diversos Níveis de Ensino exemplifica trabalhos de pesquisas na área de inclusão de surdos, desde a formação inicial dos professores que irão atender ao público, práticas pedagógicas de professores de história e de geografia, experiência de estágio com alunos surdos e um trabalho que problematiza as Representações Sociais sobre o sujeito surdo do campo clínico ao socioantropológico. Os 05 (cinco) trabalhos, Normalidade a Diferença como Alteridade: Sentidos e Significados de Graduandos de Letras do Parfor sobre a Surdez; Docentes Ouvintes e Discentes Surdos: O Ensino de História e a Educação Inclusiva na Perspectiva Freireana; O Ensino da Geografia para Alunos Surdos: Um Desafio Possível; Práticas Pedagógicas Inclusivas: A Tessitura no Estágio Acadêmico em Prol da Inclusão Educacional de PcD’s em uma Escola Estadual do Município de Cametá-Pa e Reflexões Acerca do Livro “Surdez e Educação”: O Olhar sobre o Surdo no Âmbito Clínico-Reabilitador ao Socioantropológico, apresentam uma reflexão ao leitor sobre os desafios que o educando surdo vivencia no processo de educação na Amazônia Tocantina. 

Eis aí, 05 (cinco) Grupos de Trabalhos contendo 27 artigos relevantes e atuais na área da Educação Especial no Campo, da interculturalidade, da inclusão e dos estudos surdos na Amazônia Tocantina. Os leitores, então, estão convidados a refletir junto com os autores das problemáticas sobre a resistência surda, ribeirinha, do Norte e da Amazônia, contra as práticas excludentes, ouvintistas, normalizadoras e coloniais. 

Waldma Maíra Menezes de Oliveira – UFPA 

Tiago Corrêa Saboia – UFPA 

Cyntia França Cavalcante de Andrade da Silva – UEPA 

Cametá, 10 de outubro de 2018.

Deixe uma resposta