Atividades experimentais investigativas no enfoque CTS: propostas para o ensino de química.

ISBN 978-85-7993-636-4

Autor/Organizadores: Tânia Mara Niezer; Rosemari Monteiro Castilho Foggiatto Silveira

SOBRE ESTE MATERIAL

 

Este material é resultado das atividades desenvolvidas em um projeto de extensão intitulado “Formação Continuada para professores de química do Ensino Médio da Rede Pública Estadual do Paraná”, o qual tratou sobre as Atividades Experimentais investigativas no Ensino de Química com Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS). Participaram do projeto docentes que lecionam em escolas de Ensino Médio da Rede Estadual da Área Metropolitana Sul do Paraná, município de Rio Negro, sobre Atividades Experimentais Investigativas (AEI) no enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS).

 

A Formação Continuada (FC) ocorreu no segundo semestre de 2015, no ano de 2016 e ainda algumas dúvidas para reestruturação dos planejamentos no início de 2017 para a finalização deste trabalho, numa parceria entre a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) – Campus Ponta Grossa, pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia (PPGECT), a Secretaria de Educação do Estado do Paraná (SEED) e o Núcleo Regional de Educação Área Metropolitana Sul (NRE AM Sul).

 

O planejamento e execução da FC levaram em consideração os dados diagnósticos da pesquisa e estudos na área que evidenciam a redução das experimentações nas aulas de química devido às adversidades que interferem em sua realização, tais como: a formação inicial que, muitas vezes, trata o assunto de maneira superficial e desvinculada da realidade escolar sem se preocupar com as implicações sociais da ciência e da tecnologia, a precariedade de laboratórios de química; tempo de hora/aula insuficiente; número excessivo de alunos por turma; falta de materiais e reagentes, entre outros próprios de cada contexto escolar.

 

Tais fatores implicam na prática pedagógica que se mostra, muitas vezes, desvinculada da realidade do estudante, sem que se considere os conhecimentos prévios dos alunos e sem que se promova problematizações e análises que os levem a refletir sobre as implicações científicas e tecnológicas no âmbito social.

 

Estudos sobre as atividades práticas na metodologia de ensino da química (SUART, MARCONDES, 2009; SUART, 2009; OLIVEIRA, 2010; ANDRADE, 2011; SILVA, MACHADO, TUNES, 2011; ZÔMPERO, LABURÚ, 2011; GOUW, FRANZOLIN, FEJES, 2013), mostram que, muitas vezes, a visão simplista sobre a experimentação, está cunhada pelo empirismo do observar para teorizar. Isso remete ao entendimento que a experimentação tem apenas a função única de comprovar uma teoria, o que leva ao falso entendimento de que a ciência é verdade absoluta.

 

Dessa forma, almejamos contribuir para a desmistificação sobre a execução de atividades experimentais no ensino de química, no propósito de oferecer maiores subsídios aos docentes para possibilitar o desenvolvimento de aulas com atividades experimentais no enfoque CTS.

 

Nessa perspectiva, verificou-se a necessidade de oferecer suporte pedagógico aos professores possibilitando um novo olhar na sua prática docente, de modo a levar os estudantes a participarem ativamente da construção do conhecimento, para que possam se tornar cidadãos informados e atuantes, proporcionando uma aprendizagem significativa.

 

Com esse propósito, a FC foi desenvolvida na metodologia da pesquisa-ação, com base na espiral ação-reflexão-ação, sendo uma possibilidade de desenvolver o trabalho colaborativo de autorreflexão sobre as possíveis modificações na prática pedagógica, tendo em vista a oportunidades de participação e de troca de experiências entre os pares.

 

Dentre as características mais relevantes da pesquisa-ação, Elliott (1994; 1998) aponta como sendo: uma estratégia relacionada com a formação de pessoas envolvidas nela; foco sobre situações históricas e sociais tidas como problemáticas passíveis de mudança pelos professores; entendimento da situação na perspectiva dos participantes no processo; e reelaboração discursiva das eventualidades estabelecendo inter-relações.

 

Nessa perspectiva, desenvolvemos este livro, o qual está dividido em 3 partes: Parte I que apresenta subsídios teóricos, Parte II que compila os planejamentos sobre as AEIs no enfoque CTS desenvolvidos pelos professores na FC e Parte III referente à formação continuada realizada com os professores de química, consolidando um dos objetivos da pesquisa de doutorado, assumindo seu compromisso social para a reestruturação do ensino de química, como defendem também Tenreiro-Vieira e Vieira (2005) e Marcondes et al. (2009) em seus trabalhos.

Deixe uma resposta