Leituras sobre a sexualidade em filmes. Volume 2.

ISBN: 978-85-7993-732-3

eISBN: 978-85-7993–733-0

Autor/Organizadores:

Leilane Raquel Spadotto de Carvalho; Ana Cláudia Bortolozzi Maia

“Ninguém entra em um mesmo rio uma segunda vez, pois quando isso acontece já não se é o mesmo, assim como as águas que já serão outras”.
(filósofo Heráclito, 540 a.C)
 
 
 
APRESENTAÇÃO
 
 
Leilane Raquel Spadotto de Carvalho
Ana Cláudia Bortolozzi Maia
 
 
Este é o segundo volume de uma série de livros que farão parte de uma coleção mais abrangente que discute a sexualidade em suas diversas expressões por meio dos recursos áudio-visuais. Atualmente, as novas tecnologias colaboram para o acesso aos vários vídeos, filmes, séries e seriados, que permitem trazer para inúmeros contextos do cotidiano a discussão sobre a temática da sexualidade, que era reservada aos espaços privados e/ou acadêmicos.
 
O curso de formação em Psicologia da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” conta com uma disciplina teórica chamada Desenvolvimento e Educação Sexual. Tal disciplina faz parte do projeto político pedagógico curricular do Curso de Psicologia, na ênfase da Educação e aprofunda os estudos sobre a sexualidade no desenvolvimento humano: infância, juventude, idade adulta e idosa e sobre os processos educativos e preventivos, em que o (a) psicólogo (a) pode contribuir.
 
A finalidade da disciplina é proporcionar aos (as) alunos (as) condições para reflexões teóricas e práticas sobre a sexualidade humana e a educação sexual, compreendendo o processo de repressão sexual a partir de uma leitura foucaultiana, problematizando as questões sobre gênero e diversidade sexual.
 
Como já mencionamos no primeiro volume, Durante as aulas é comum o relato de alunos (as) sobre diversos documentários, séries e seriados, filmes, etc. que são parte de seu cotidiano, dos temas abordados e, em grande medida, esses exemplos possibilitam discussões proveitosas e educativas. Além disso, na elaboração de programas de educação sexual, esses meios tornam-se também recursos importantes a serem considerados. Diante dessa situação, elaboramos uma proposta de avaliação processual para os (as) alunos (as) do curso de Psicologia que participavam da nossa disciplina que fosse ao encontro desse emergente interesse. Assim, sozinhos, em duplas e/ou trios, os (as) alunos (as) se organizaram na tarefa de escolherem uma temática de interesse e um vídeo que tratasse de tal temática e, a partir da consulta da literatura e da formação recebida no curso, realizassem uma análise crítica desse material. Essas análises foram apresentadas em sala de aula, coletivamente, e enriqueceram a todos nós (MAIA; DE CARVALHO, 2019, p.10 e 11).
 
Além da contribuição dos (as) alunos (as) do Curso de Graduação em Psicologia na autoria dos capítulos deste livro, outros (as) alunos (as) da pós-graduação e pesquisadores (as) que fazem parte do Grupo de Estudo e Pesquisa “Sexualidade, Educação e Cultura” (GEPESEC) e que também pesquisam ou têm afinidade com a temática, enriqueceram esta obra, com outros capítulos. Neste sentido, dando continuidade ao volume 1 de “Leituras Sobre a Sexualidade em Filmes”, este livro apresenta novas discussões em outros filmes, séries e seriados que reúnem temáticas sobre a educação inclusiva e deficiências, padrões definidores de normalidade relacionados ao gênero, ao envelhecimento, à conjugalidade e à estética, práticas sexuais polêmicas e consideradas desviantes, tais como as parafilias, pedofilia e as vinculadas ao uso abusivo de substâncias. O conjunto dos temas evidencia a sexualidade como algo plural, diverso e construído social e historicamente.
 
Dois capítulos irão abarcar a temática da sexualidade relacionada à deficiência/inclusão, sob diferentes enfoques para reflexões, sendo eles: o Capítulo 1, Atypical, de autoria de Ana Carla Vieira Ottoni e Ana Cláudia Bortolozzi Maia, que vai abarcar o espectro autista, com perspectiva nas vivências sociais e afetivas, e o Capítulo 4, The Undateables, de autoria de Lauren Cristine Aguiar Nunes, Luisa Aliboni de Toledo e Silva e Kananda Amancio Pinheiro, que discute sobre a vida afetivo-sexual de pessoas com deficiência que utilizam agências de relacionamento.
 
Outros capítulos irão tratar sobre o corpo enquanto parte de uma norma social, sendo eles: o Capítulo 2, Beleza Americana, de autoria de João Artur de Falco Tizzo e Lucas Matheus Fernandes Baravieira , que discute sobre imagem corporal e as implicações desta nas relações e na sexualidade dos sujeitos; o capítulo 8, Super Drags, de autoria de Raphael dos Santos Teixeira e José Felipe Vaz de Assis, que reflete os estereótipos, principalmente quando consideramos sujeitos que performam drag queens; e o Capítulo 9, Dumplin, de autoria de Tamires Giorgetti Costa, Marina Ramos Coiado e Daniel de Medeiros Gaiotto, que abarca os padrões de beleza e discute sobre a sexualidade de pessoas que não se encaixam nesses padrões. Reflexões sobre a relação entre o corpo estigmatizado e a sexualidade também aparecem no Capítulo 11, de autoria de Débora de Aro Navega e Tatiana de Cássia Ramos Netto Martins, E se vivêssemos todos juntos, quando trata do corpo no período do envelhecimento humano.
 
Dois capítulos enfatizam as questões da sexualidade voltadas para os relacionamentos: o Capítulo 6, Azul é a Cor Mais Quente, de autoria de Thássia Elizandra Santos, trata padrões heteronormativos em uma relação entre mulheres, e o Capítulo 10, Me Chame Pelo Seu Nome, de autoria de Mirela Bosco e Leilane Raquel Spadotto de Carvalho, que reflete sobre experiências homoeróticas na adolescência.
 
Finalmente, outros capítulos discutem temáticas que para muitos causam controversa, como o Capítulo 3, O Perfume, de autoria de Andressa Carolina Donato, Caio Eduardo Gonçalves Lunardi e Natália Cordón Fortuna Pereira, que discute fetichismo através de um enfoque psicanalítico; o Capítulo 5, Enter The Void: Viagem Alucinante, de autoria de Pedro Carvalho Gomes e Ariela Cursino Lanfranchi, que reflete a sexualidade relacionada ao uso de substâncias químicas, e o Capítulo 7, Mistérios da Carne, de autoria de Deborah Placeres de Araujo e Fernanda Santos de Souza Costa, que apresenta uma discussão sobre abuso sexual infantil e pedofilia.
 
Assim como no livro anterior, desejamos a todos (as) nós pesquisadores (as), educadores (as), curiosos (as) em sexualidade e apreciadores (as) de filmes e séries a possibilidade de “identificar a sexualidade visível nos meios de comunicação e o interesse pelo conhecimento oriundo da literatura consultada em diferentes temas e, ainda, o prazer de compartilhar conosco as reflexões oriundas das análises” (p.12). Convidamos a todos (as) para lerem os capítulos, assistirem os materiais analisados e refletirem e dialogarem sobre o assunto.
 

Deixe uma resposta