Educação e pesquisa: dialogando com a pluralidade

eISBN: 978-85-7993-844-3

ISBN: 978-85-7993-843-6

Autor/Organizadores: Augusto Kessai Agostinho Chicava; Jenerton Arlan Schütz

Prefácio

Vivemos num mundo cada vez mais caraterizado por diversidades, em parte devido à globalização como um conjunto de processos e discursos. Como um fenômeno multidimensional, a globalização tem sido responsável por fazer chegar até nós ideias, pensamentos, culturas, práticas e costumes que nos são distantes no espaço mas que rapidamente podem tornar-se como que nossas criações. No entanto, esse tornar-se como que algo nosso não é um processo linear, pois muitas vezes resistimos porque sentimos que o que é novo destrona em nós o que está enraizado e cristalizado: o ser humano sempre resistiu à novidade.

A educação não está isenta do desafio de abraçar e acolher o que é novo. É neste sentido que a pesquisa educacional torna-se crucial para fazer sentido ao que se apresenta como diverso na sociedade.

Este volume reúne escritos de várias temáticas em educação cujo objetivo principal é fazer da pesquisa um instrumento para estabelecer pontes na diversidade. O volume ajuda-nos a olhar para a pluralidade não como uma ameaça ao que estamos habituados, mas como uma oportunidade rica de possibilidades nunca antes exploradas.

Um pouco por todo mundo, a educação está passando por teste de ouro, desde a reorientação dos seus objetivos às reinvenções curriculares e ensaios de práticas educativas e de formação docente para responder aos desafios da globalização e das mudanças climáticas. Por outro lado, vemos governos supostamente mais conservadores – na verdade mais populistas que conservadores – a darem pouca importância à educação comparativamente a outras áreas. Isso parece ser um reconhecimento implícito de que uma educação bem feita é sementeira de valores democráticos, da solidariedade, da tolerância e do respeito pela diferença.

Efetivamente, estes valores são, muitas vezes, a antípoda do conservadorismo populista. Este livro representa um ato de coragem porque desafia-nos a encarar a pluralidade não como ameaça, mas como a expressão diferenciada do ser humano que no fundo é o mesmo.

A leitura deste livro desafia-nos a despirmo-nos do que nos apegamos (teorias, metodologias e práticas educativas) para experimentarmos algo diferente. O livro é um convite a tornarmos a educação num instrumento de mudança social construindo pontes sobre a diversidade.

Adelino Chissale

Doutor em Educação

Professor da Universidade São Tomás de Moçambique

Janeiro de 2020

Deixe uma resposta