Das linhas às entrelinhas: múltiplos olhares sobre o literário

ISBN 978-65-86101-10-2
eISBN 978-65-86101-28-7

Autor/Organizadores: Antonia Marly Moura da Silva; Francisco Aedson de Souza Oliveira; Iara Maria Carneiro Freitas; Leila Maria de Araújo Tabosa

Apresentação

Este livro é uma iniciativa do Grupo de Estudos de Literatura e suas Interfaces Críticas (GELINTER/CNPQ) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, realizada com o apoio do Simpósio de Estudos Barrocos e Neobarrocos da UERN, evento bianual organizado pelo referido Grupo que aqui se faz presente através da colaboração de alguns dos seus participantes com comunicações apresentadas durante o Simpósio. Os vinte e sete artigos que compõem a coletânea inscrevem um conjunto de perspectivas críticas e outras investidas de pesquisadores, membros do Grupo e convidados, docentes e discentes, em torno do fenômeno literário.

Um dos grandes méritos do volume é o pluralismo dos temas abordados. Trata-se de um conjunto de reflexões em que horizontes diferentes partilham de uma preocupação central: a literatura e seus possíveis diálogos. Pelos desvãos do fantástico, da crítica feminista, da prosa e da lírica, múltiplos enfoques congregam um debate heterogêneo que transita do mito ao mimético, da criação ao ensino, da literatura ao leitor, dentre outros aspectos. Tais abordagens demonstram a dedicação dos autores no sentido de levantar proposições investigativas em torno de obras literárias, do jogo ficcional e da experiência da leitura.

A perspectiva teórico-crítica dominante veicula um trânsito de ideias acerca das formas ficcionais e da poesia, dentre as quais comparece o cordel, propiciando amplas possibilidades de penetração no âmago da obra literária.

Vertentes voltadas para a recepção do leitor, com foco na prática da leitura do texto literário, por sua vez, são outras posições que alicerçam, por linhas diversas, a matriz que conecta o volume, desencadeando indagações sobre a literatura e seus arredores. Posto isso, o livro foi organizado em cinco partes, considerando-se um repertório de temas e diferentes problemáticas que presidem pontos de vista e leituras analíticas no campo da representação mimética, arrolando-se escritores da tradição a contemporaneidade das mais variadas tendências estéticas, do que resultou as páginas que seguem.

Nessa direção, a primeira parte denominada Figurações insólitas congrega seis abordagens críticas acerca da literatura fantástica fomentadas à luz de variadas vertentes teóricas que lhes dão sustentação. O temário selecionado possibilita desdobramentos inusitados sobre contos fantásticos de alguns mestres do gênero no Brasil, dentre os quais destacam-se Moacyr Scliar, Ignácio de Loyola Brandão e Lygia Fagundes Telles. Acrescente-se, ainda, o cotejo entre contos da brasileira Lygia Fagundes Telles e da portuguesa Lídia Jorge. Por fim, a abordagem dedicada ao engenho e a Das linhas às entrelinhas: múltiplos olhares sobre o literário técnica na narrativa de Cassiano Ricardo. Nos domínios do universo fantástico empreendido pelos autores, convém destacar perspectivas analíticas voltadas para a representação do animal e do vampiro, a placidez de figurações insólitas do corpo e do espaço ficcional, dentre outras questões que envolvem o sobrenatural na ação dos personagens e onde habitam.

No âmbito das discussões sobre a representação da mulher, situadas na segunda parte intitulada Figurações do feminino e seus arredores, foram reunidos sete artigos em torno de um heterogêneo corpus. O recorte é constituído de resultados de pesquisa que enaltecem categorias ficcionais como a personagem, por exemplo, bem como rasuras e ranhuras em torno do fazer poético. Primeiramente, o olhar se desloca para a travessia indagatória que se verifica na literatura de Juana de Asbaje à Soror Juana. No bojo do esforço analítico sobre contos diversos, circunscrevem-se variantes como representações de gênero no conto de fadas moderno de Marina Colasanti; o feminino que se anuncia pela voz masculina em “Missa do galo” de Machado de Assis; o esfacelamento da personagem central em “Desenredo” de João Guimarães Rosa. Nesse ideal de unidade, centralizado no ethos da mulher que a crítica feminista veio relativizar, acrescente-se a abordagem sobre amor, desejo e corpo situados no drama da figura feminina que se observa no conto de João Gilberto Noll. Em outra direção, sublinham-se ideologias imbricadas entre a personagem mulher e o espaço ficcional no conto de Charlotte Perkins Gilman e outras reflexões sobre identidade, gênero e sociedade na narrativa de Dina Salústio. A seguir, ampliando essa extraordinária teia de ideias, temos uma apaixonada incursão em um campo da literatura de autoria feminina focalizada na análise do conto “Dos Palabras” da escritora Isabel Allende. Podemos dizer que os ensaios incluídos nesta parte se completam perfeitamente, embora tratem de assuntos variados sobre um mesmo tema: a representação da mulher.

A terceira seção de textos, Nos bosques da ficção: outros olhares, dedica-se ao movimento entre instâncias como literatura e sociedade, ficção e memória, personagem e narrador, a obra e sua produção, a escrita e os limites da criação literária, dentre outros aspectos. O fragmento agrega um conjunto de perspectivas sobre a ficção de diversos autores, dentre os quais convém destacar José Lins do Rego, Milton Hatoum, Clarice Lispector, João Guimarães Rosa, João Antônio e Machado de Assis. São oito ensaios em que a linha-mestra é desvelar o espaço disjunto entre o literário e o social, entre o criador e a criação, entre escritor e escritura.

A quarta parte Desdobramentos do eu-lírico, constituída de três artigos, traz à luz uma importante leitura crítica sobre temáticas por vezes ignoradas ou esquecidas. Primeiro: versa sobre a dialética sacro-profana, de direção satírica, determinante da lírica de Gregório de Matos. O ensaio que segue propicia um olhar panorâmico sobre a obra de Teresa d’Ávila, tendo Das linhas às entrelinhas: múltiplos olhares sobre o literário como interesse alguns aspectos artísticos que a referida obra encerra e que a inserem nas categorias da Mística cristã, bem como em uma antecipação da estética barroca. O terceiro artigo da sessão levanta questionamentos surpreendentes sobre o cordel como um produto da indústria cultural, formulando proposições teóricas que se aninham nas dobras das peculiaridades desse gênero literário, problemática inserida no contexto de uma discussão acerca dos modos como a ideologia se insere no cordel.

A quinta e última parte denominada Sobre o jogo ficcional: leitura e leitores desloca-se do centro da crítica para o ato da leitura da obra literária, ressaltando-se formas possíveis para alavancar o encontro do leitor com a literatura. Trata-se de um conjunto de três abordagens sobre o texto literário, levando em conta a relação literatura e leitor e métodos de apreensão da obra literária. O primeiro ensaio do fragmento constitui um estudo crítico comparativo de três importantes obras literárias do século XIV na Espanha: o Libro de Buen Amor, El Conde Lucanor e Rimado de Palacio desenvolvido com o fim de elaborar material didático a ser utilizado em aulas de Literatura Espanhola. O ensaio que segue versa sobre a prática da retextualização, processo que consiste na produção de um novo texto a partir de um ou mais textos-base, para uma prática de letramento literário. O último artigo propõese a elaborar uma proposta pedagógica, com vista ao letramento literário, que possibilite a discussão de gênero e sexualidade no ensino médio, tendo como objeto um conto de Caio Fernando Abreu.

Enfim, os presentes artigos reunidos neste livro apontam um interesse e uma direção: a literatura. Não poderia ser de outro modo uma vez que o permanente exercício reflexivo sobre o fenômeno literário constitui o alicerce das ações do GELINTER e a prática dos autores envolvidos, membros e convidados. Assim, a multiplicidade de enfoques sobre a literatura que define a tessitura do volume confirma o espírito e as razões de sua gestação.

Os organizadores

Deixe uma resposta