Entre o saber e o fazer: os discursos sobre integração curricular na educação profissional brasileira

Análises em (dis)curso: perspectivas, leituras, diálogos.

eISBN 978-65-86101-08-9

Autor/Organizadores: Elayne Silva de Souza

PREFÁCIO

Inicialmente, a obra que aqui apresentamos é a tese de doutorado da professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), Elayne Silva de Souza, financiada pela Capes, desenvolvida junto ao DINTER, CAPES 2014, Doutorado Interinstitucional oferecido pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem da Universidade Federal Fluminense ao IF Sudeste MG. A tese teve seu mérito reconhecido, sendo indicada para publicação, pelo Prêmio Dinter de Teses, promovido no âmbito desse programa stricto sensu. Cabe destacar a importância de programas como esse que propiciam a aproximação entre instituições educacionais públicas, uma vez que viabilizam a troca de saberes e conhecimentos entre profissionais que atuam com a formação para a pesquisa e aqueles que formam estudantes da Educação Básica.

A tese, no campo da Linguística Aplicada, inscreve-se na linha de pesquisa Teorias do Texto, do Discurso e da Tradução, integra as produções do Grupo de Pesquisa Práticas de linguagem, trabalho e formação humana (UFF, CNPq 2009) e vem somar-se a propostas de investigação realizadas pelo Grupo de trabalho da Anpoll Discurso, trabalho e ética. Trabalhando com articulações que se estabelecem entre o saber e o fazer, a autora/pesquisadora recorre a uma perspectiva discursiva que confere lugar de destaque à interdiscursividade e põe em diálogo questões que atravessam diversas disciplinas.

A pesquisa vem comprovar a importância do trabalho do professor servidor público, como docente pesquisador em/de seu espaço de trabalho, contribuindo com suas reflexões para a construção de uma Educação pública cidadã, sobretudo em tempos de grandes retrocessos nessa área, como os que vivemos nestes últimos quatro anos, com reformas e propostas educacionais que caminham na contramão do determinado pela Constituição Federal de 1988.

Como professora efetiva de um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, Elayne, a partir de suas inquietações, incompreensões e (des)integrações entre a formação básica e a específica para o trabalho, envolve-se com questões sobre o que é integrar e o que se faz necessário para que se efetive uma organização curricular integrada nesse espaço escolar. Nessa busca por uma melhor compreensão sobre estes interrogantes, depara-se com o conceito marxista de politecnia e os diversos embates travados a partir dele na educação profissional brasileira. Todas essas razões a levam a constituir e desenvolver a pesquisa, relatada nesta publicação, com o objetivo de “identificar como se constrói discursivamente o conceito de integração curricular na Educação Profissional Brasileira, a partir da constituição da polêmica em torno do conceito de politecnia na LDBEN”.

Assim seu estudo remonta à promulgação da Constituição Federal de 1988, às lutas entre diferentes concepções do que se quer para a educação, a discussões ocorridas quando da construção da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN 9394/96). Seus dispositivos de análise contemplam diversos textos legais normatizadores da Educação brasileira, como os decretos presidenciais nº 2.208/1997 e nº 5.154/2004, e as leis nº 11.741/2008 e nº 11.892/2008 elaboradas pelo Congresso Nacional, compreendendo-os a partir da historicidade na qual se produzem esses textos. É, portanto, uma tarefa difícil, pois implica que nos situamos no cerne de questões construídas a partir de uma rede de pontos de vista que se contradizem, se completam, se sobrepõem, se omitem.

O referencial teórico é vasto e envolve autores como Marx (1867), Gramsci (1978, 1982), Freire (1967, 1998), Saviani (1989, 2003, 2007), Manacorda (1997), Frigotto, Ciavata e Ramos (2005), Foucault (1969, 1970), Maingueneau (1997, 2008a, 2008b, 2013, 2015), Rocha (2014), Rocha e Daher (2015), o que nos permite afirmar que a obra de Souza abre-se a diversos ramos das ciências humanas que tenham como interesse a Educação básica e a formação profissional analisadas a partir de suas diversas práticas de linguagem, enquanto práticas sociais que garantem a interação e a circulação de uma memória construída discursivamente. Referimo-nos à rede de interdiscursos que precisam ser compreendidos a partir de sua situação de enunciação: um diálogo específico voltado para uma determinada opção de gênero e produzido num determinado contexto (participantes, tempo e lugar).

Dessa forma, a tese oferece-nos importantes reflexões sobre a linguagem. Alicerça-se em estudos de Foucault (1969, 1970) sobre as condições de exercício da função enunciativa, ou seja, sobre possibilidades de enunciabilidade que autorizam o que pode (deve) ou não pode (não deve) ser dito, e no de diversos teóricos que atuam no âmbito de uma linguística do discurso, compreendendo como Rocha (2014) o discurso para além de sua função pragmática, de sua constituição e intervenção no mundo, evidenciando-o como produção social por meio da qual se instauram relações de poder, verdades e se constituem subjetividades. Recorre a concepções teóricas propostas por Maingueneau (2008), autor que relaciona a identidade do discurso com sua emergência e existência, a partir da análise de suas práticas discursivas e na sua relação com o discurso do Outro(s), semantizando diversos sentidos a partir dessa relação interincompreensiva.

Sendo assim, pela natureza da pesquisa que aqui se relata, estamos certas de que este é um livro que vem somar não só para os profissionais que atuam como linguistas ou professores de escolas técnicas, mas também para os envolvidos com educação em geral, história, economia, política, filosofia, geografia econômica, enfim, para os que buscam melhor compreender as relações homem-mundo-linguagem. Uma contribuição, sem dúvida, da maior relevância para os estudos que almejam a socialização do conhecimento, que emprestam seu olhar crítico a problemas de dimensão social compreendidos a partir das práticas de linguagem que circulam e ocupam espaços como o da legislação. Nesse patamar, situamos o trabalho de Elayne que alcança o justo equilíbrio entre o interesse de uma pesquisa que se revela original e produtiva pelos dispositivos de análise que atualiza e o desejo do leitor interessado pelos estudos das práticas de linguagem que normatizam a Educação Profissional Brasileira.

Cabe-nos ainda iluminar a importância de um trabalho sobre a escola pública, realizado por uma professora de escola pública, em tempo em que ambas vêm sofrendo ataques praticamente diários, quer na mídia, quer por políticas de (des)governo.

Professoras
Del Carmen Daher
Maria Cristina Giorgi

Deixe uma resposta