Diálogos contemporâneos

ISBN: 978-65-87645-93-3
eISBN: 978-65-87645-94-0

Autor/Organizadores: Tarcisio Dorn de Oliveira

APRESENTAÇÃO

A Parte I – Desenvolvimento, Tecnologias e Sustentabilidade é composta por seis capítulos que abordam temáticas sobre concretos permeáveis, incorporação de fibra de coco em misturas, mistura asfáltica, energia elétrica, pavimentos para cidades sustentáveis e segurança contra incêndio.

O texto “Análise do desempenho mecânico e da taxa de infiltração de concretos permeáveis com adição de fibra de polipropileno e substituições parciais do agregado graúdo por resíduos da construção civil” de Marcos Bressan Guimarães, Bruna Carolina Jachinski, Gabrielli Tápia de Oliveira, Pedro Henrique Zambon Brondani e Éder Claro Pedrozo, investiga as propriedades mecânicas e hidráulicas do concreto permeável com substituições parciais de resíduos da construção civil e adição de fibras de polipropileno, pretendendo produzir um material sustentável e resistente, que possa solucionar os impasses das técnicas convencionais de pavimentação urbana. O capítulo destaca que o emprego da fibra de polipropileno proporciona um aumento da resistência à tração do concreto, além de aumentar significativamente a taxa de infiltração.

Kaiolani Schmitt Bittencourt e Ariane Lúcia Oss-Emer em “Considerações sobre incorporação de fibra de coco em misturas a quente “disponibilizam à engenharia rodoviária uma nova tecnologia e avaliar a viabilidade da incorporação utilizando, material ecológico em misturas asfálticas. O capítulo afirma que fibras sendo de coco ou fibras provenientes de outros materiais, podem ser incorporados em misturas a quente, no entanto as mesmas, devem ser classificadas e dosadas dependendo de cada mistura.

O artigo “Estudo de mistura asfáltica moldada à quente com agregado miúdo e diferentes teores de cap convencional para análise da estabilidade e fluência” de Alifer Andrei Veber Beier, Bianca Milena Girardi, Gabriela Fanck Dos Santos, José Antonio Santana Echeverria e Marcos Bressan Guimarães, apresenta os resultados da dosagem das misturas realizadas com pó de pedra e diferentes teores de ligante asfáltico convencional, com o objetivo de avaliar as características e realizar os ensaios de estabilidade e fluência, segundo às especificações da norma DNER-ME 043/1995. O capítulo observa que a mistura em questão apresenta uma estabilidade considerável, ou seja, constituída por uma resistência à ruptura superior ao que dita a norma, podendo caracterizar um pavimento com propriedades rígidas.

O texto “Estudo para substituir a energia elétrica da rede de distribuição por usina a biogás na cidade de São José do Inhacorá/RS de Mauro Fonseca Rodrigues, Gracieli Cristina Scherer, Leonardo Rafael Willers e Kelly Gabriela Poersch apresenta uma solução para eliminar 87,2% a emissão de CO2 no Município de São José do Inhacorá/RS e usar a energia elétrica desse processo, a partir de biodigestores. O capítulo verifica a produção intensiva de bovinos e suínos no município para dimensionar o potencial energético disponível em biogás e conclui que é possível, tanto tecnicamente quanto economicamente, realizar esse investimento no município.

O artigo “Pavimentos para cidades sustentáveis” de Fábio Pereira Rossato, Lucas Alves Lamberti, Carla Fernanda Perius, Rutineia Tassi e Daniel Gustavo Allasia Piccilli, apresenta uma revisão bibliográfica a respeito do uso de pavimentos alternativos que visam tornar os centros urbanos termicamente mais agradáveis, e menos suscetíveis a alagamentos. O capítulo aponta que a impermeabilização do solo reduz a possibilidade de infiltração das águas da chuva e provoca o aumento nos volumes de escoamento superficial, sobrecarregando os sistemas de drenagem pluvial.

Em “Requisitos de desempenho quanto à segurança contra incêndio para sistemas de vedações verticais e sistemas de piso em madeira” Gabriela Meller, Willian Magalhães de Lourenço, Diego Menegusso Pires, Eduarda Fração Santos e Ariane Lúcia Oss-Emer, discutem, por meio de uma revisão bibliográfica, quais são as exigências solicitadas pela norma de desempenho NBR 15.575 e pela Diretriz nº 005 do Sistema Nacional de Avaliação Técnica quanto à segurança contra incêndio para estruturas de madeira.

A Parte II – Espaço Construído, Gestão Social e Cidadania é composta por quatro capítulos que abordam reflexões sobre abandono afetivo, mobilidade urbana, responsabilidade civil do estado na epidemia, desrespeito do direito ao meio ambiente equilibrado e comportamento de consumo feminino em farmácias.

Taritza Dorn de Oliveira, Daniel Hedlund Soares das Chagas e Rosane Leal da Silva em “Abandono afetivo na perspectiva doutrinária e jurisprudencial: a posição dos tribunais de justiça da Região Sul” estudam a efetivação do abandono afetivo, através de uma análise crítica com base no tratamento doutrinário e jurisprudencial, afim de verificar como os tribunais passam a julgar os atos abandônicos dos genitores e os pedidos de indenização realizados pelos seus filhos. O capítulo mostra que o entendimento aos pedidos de indenização por dano moral decorrente de abandono afetivo, está sedimentado no sentido de que, somente em situações especialíssimas, é possível condenar alguém ao pagamento de indenização.

O texto “A importância da micromobilidade frente às necessidades urbanas atuais” de Paula Scherer e Mariela Camargo Masutti, reúne um compilado de informações bibliográficas que reforçam a necessidade de incluir formas mais eficientes de deslocamento nas cidades, destacando exemplos de locais onde mudanças foram identificadas e quais concepções e panoramas tornam as iniciativas realizáveis. O capítulo sinaliza que a adoção de alternativas sustentáveis na circulação urbana, como a micromobilidade, traz vantagens à cidade que dizem respeito tanto à conservação ambiental quanto à redução do congestionamento de trânsito, responsável por grande insatisfação no cotidiano das regiões metropolitanas.

O artigo “A responsabilidade civil do estado na epidemia e o desrespeito do direito ao meio ambiente equilibrado” de Tamara do Amaral de Oliveira, Daniel Hedlund Soares das Chagas e Etyane Goulart Soares, tem como objetivo analisar acerca da responsabilidade civil do Estado/Poder Público na epidemia de dengue que vem assustando a população brasileira em geral. O capítulo ressalta o desrespeito do direito ao meio ambiente equilibrado em consequência do avanço da epidemia, traz algumas reflexões acerca do tema da responsabilidade civil, bem como, uma análise dos tipos de responsabilidade do Estado, os seus deveres na área da saúde e as ações para garantia da qualidade de vida dos cidadãos.

“Ensaio sobre comportamento de consumo feminino em farmácias de Ijuí” de Carelisa Stoffel de Siqueira, Nelson José Thesing, Eluane Seidler, Patrique Rosa Hedlund e Rafael Sarmento Ferreira, objetiva conhecer o perfil das mulheres que consomem nas farmácias da cidade de Ijuí/RS, compreendendo os fatores condicionantes de compra de produtos farmacêuticos. O capítulo deixa claro que um dos fatores mercadológicos mais abordados na contemporaneidade é o comportamento do consumidor, principalmente o consumo do público feminino, haja visto, que a grande maioria das consumidoras frequentam as farmácias pelo menos uma vez ao mês, sendo os itens mais procurados por elas em farmácias são medicamentos e produtos de higiene pessoal.

Por fim, a Parte III – Educação, Ensino e Aprendizagem é composta por seis capítulos que cuidadosamente abordam temáticas sobre escolaridade, análise textual, novas tecnologias na educação, formação docente, processo de ensino e aprendizagem, práticas literárias, práticas pedagógicas e gênero.

O texto “A escolaridade da mãe pode ser um indicador de capital cultural? Análise de dissertações e teses de 2013 a 2020” de Ana Cristina Mendes e Diego Pascoal Golle, analisa a presença do indicador “escolaridade da mãe” em dissertações e teses desenvolvidas no Brasil no período de 2013 a 2020, avaliando a correlação com o capital cultural. O artigo evidencia que existe forte influência da escolaridade da mãe sobre os mais diversos aspectos pesquisados nas distintas áreas do conhecimento, com destaque para a grande área da saúde e das ciências sociais e aplicadas. Entretanto, na maioria das vezes a relação da escolaridade materna como capital cultural não é explícita nos trabalhos ou, ainda, não está presente.

Antonio Paulo Valim Vega e Noemi Boer em “Análise textual discursiva: técnica de pesquisa e aporte metodológico na construção de conhecimento em sustentabilidade” apresentam um relato de experiência, analisado a partir da técnica da Análise Textual Discursiva (ATD), entendendo-a como aporte metodológico para a construção de conhecimento. O capítulo procura demonstrar a forma como se chegou ao entendimento de sustentabilidade dos trabalhadores do setor elétrico, a partir de uma pesquisa de abordagem qualitativa, com a utilização da técnica da ATD.

No artigo “APPGO – um projeto que busca integrar as novas tecnologias na educação” Barbara Gündel Mendonça, Edson Luiz Padoin, Fabiana Diniz Kurtz e Taíse Neves Possani, apresentam um relato do desenvolvimento do aplicativo MathGo, em que seu objetivo é propiciar a alunos do ensino fundamental e médio uma maneira diferente de estudar e testar seus conhecimentos na área da matemática, pois é um aplicativo livre que possui aproximadamente 2.000 questões sobre os diferentes conteúdos abordados. O capítulo sinaliza que o Projeto AppGo desenvolve ações de forma colaborativa entre os professores das escolas, da universidade e também dos acadêmicos dos cursos de graduação, ao passo que a utilização de softwares educacionais considera o professor como participante ativo na produção dos respectivos materiais didáticos e pedagógicos, de acordo com suas necessidades em sala de aula.

O texto “Formação docente e o processo de ensino e aprendizagem: desafios contemporâneos no campo da educação” de Dieison Prestes da Silveira, Etyane Goulart Soares, Thalia Nunes Ferreira Feistler, Adriele Prestes da Silveira e Geovane Barbosa da Silva, analisa a importância da formação docente para a mediação do conhecimento com vistas ao processo de ensino e aprendizagem, tendo como foco do estudo, a formação de professores, o processo de ensino e aprendizagem, a escola, os alunos e a comunidade. O capítulo sinaliza que a formação de professores (inicial, continuada e/ou permanente) apresenta-se como uma importante vertente na busca por novos saberes, visando um aperfeiçoamento da prática pedagógica, permitindo uma mediação de conhecimentos que ultrapassem as barreiras da escola e se dissipe no meio social.

Tamara Camila Diemer Facchi e Maria Aparecida Santana Camargo em “Práticas literárias enriquecedoras na educação infantil” investigam o papel desempenhado pelos professores enquanto mediadores e incentivadores da Literatura. O capítulo aponta que a função do professor mediador deve ser competente, sistemática e bem elaborada, aprofundando seus saberes sempre que possível, investindo em sua formação pedagógica e literária, disponibilizando novos espaços e novas metodologias, para que as crianças possam vivenciar as histórias contadas de forma mais prazerosa e lúdica, inclusive de modo interativo, fazendo com que os pequenos participem ativamente das histórias e das atividades propostas.

No texto “Práticas pedagógicas na educação infantil e (des) igualdades de gênero: outros tempos, outros itinerários” Rosemar de Fátima Vestena, Clair da Conceição Franciscatto e Valdir Pretto, analisam como as práticas pedagógicas, na etapa da Educação Infantil podem contribuir para a (des) igualdade de gênero na sociedade. O capítulo observa que a Educação Infantil (EI), em decorrência de sua função educativa e socializadora, pode contribuir tanto para reforçar como para desmistificar preconceitos com relação ao fato de se ter nascido do sexo feminino ou masculino. Nessa perspectiva, entende-se que a escola, desde a Educação Infantil, é um espaço privilegiado para a mudança de mentalidade via reflexão-ação-reflexão.

Boa leitura a todos!

Ijuí / RS, 08 de setembro de 2020.
Tarcisio Dorn de Oliveira

Deixe uma resposta