Ações e reflexões: o pensar multidisciplinar

ISBN: 978-65-5869-104-4
eISBN: 978-65-5869-105-1

Autor/Organizadores: Cristhian Moreira Brum; Tarcisio Dorn de Oliveira

APRESENTAÇÃO

A Parte I – Desenvolvimento, Tecnologias e Sustentabilidade é composta por cinco capítulos que abordam temáticas sobre resíduos sólidos, energia elétrica, ruído de impacto, desenvolvimento sustentável, inovações tecnológicas, concreto armado e concreto de alto desempenho.

No texto “Análise da produção de energia elétrica a partir de resíduos sólidos urbanos: estudo de caso na cidade de Ijuí/RS” Fernanda da Cunha Pereira e Gabriela Zorzetto do Nascimento, refletem sobre a geração de resíduos sólidos urbanos (RSU). O capítulo observa que a disposição final destes resíduos é preocupante, uma vez que os RSU são compostos aproximadamente por 50% de matéria orgânica, que ao se decompor, gera o biogás – composto majoritariamente por metano, que possui alto potencial de aquecimento global. A utilização deste biogás para a produção energética serve como uma forma de minimizar estas emissões na atmosfera além de gerar energia elétrica para a população.

No artigo “Análises de ensaios para ruído de impacto: influências frente ao método laboratorial e de campo para a mesma composição de piso” Willian Magalhães de Lourenço, Gabriela Meller, Camila Taciane Rossi, Lucas Rafael Ferreira e Marselle Nunes Barbo, apresentam uma abordagem crítica sobre a influência dos diferentes métodos de medição de o ruído de impacto (campo e laboratório) para a mesma amostra de composição de sistema de piso: laje pré-moldada nervurada com vigotas protendidas e tavelas cerâmicas, com o uso de 4 cm de contrapiso argamassado e revestimento de piso laminado de madeira.

Antonio Paulo Valim Vega, no texto “Dimensão pessoal e profissional: competências no contexto do desenvolvimento sustentável e das inovações tecnológicas”, revela e encaminha por meio das categorias intermediárias não apenas o entendimento de sustentabilidade dos trabalhadores, mas, anuncia uma perspectiva de identidade que compreende sustentabilidade e as dimensão pessoal e profissional, revelando a visão dos trabalhadores acerca do desenvolvimento sustentável num contexto de transição e mudança tecnológica e comunicacional, emergente no contexto contemporâneo.

No texto “Estudo das técnicas de reforço e reabilitação de estruturas de concreto armado” Marcos Bressan Guimarães e Paulo Cesar Rodrigues, desenvolvem um estudo teórico acerca dos métodos de reforço empregados em vigas e pilares de concreto armado, evidenciando as particularidades, vantagens, desvantagens e dimensionamento de cada técnica. O capítulo destaca que os métodos analisados podem proporcionar um considerável aumento da capacidade resistente de elementos deteriorados, além de contribuírem para a preservação dessas estruturas, desde que, sejam dimensionados e executados corretamente.

No artigo “Estudo do concreto de ultra-alto desempenho e dos princípios fundamentais para a obtenção de suas propriedades” Gediel da Silva, Cristiane Dalcin, Éder Claro Pedrozo e Taciana Paula Enderle, realizam uma abordagem a respeito do concreto de ultra-alto desempenho (CUAD), sistematizando as principais propriedades que o diferem dos concretos convencionais (CC). O capítulo aborda fatores essenciais relacionados aos métodos de dosagem experimental, que resultam no elevado desempenho do material. Portanto, o CUAD apresenta-se como uma solução inovadora com potencial para suprir a demanda de desempenho das edificações, atendendo aos mais diferentes tipos e condições de projeto.

A Parte II – Espaço Construído, Gestão Social e Cidadania é composta por seis capítulos que abordam reflexões sobre a origem da família, adoção, autocensura, moradia estudantil, pandemia e preservação ambiental.

Felipe do Amaral Scheuer e Daniel Hedlund Soares das Chagas, no texto “A origem da família e o surgimento da adoção”, observam que a família, ao longo do tempo, sofreu várias alterações, mudanças, evoluções, mas permanece como instituição até os dias atuais. Nessa perspectiva, o capítulo entende a adoção como um processo complexo, pois envolve muitos fatores, muitas pessoas e suas vidas, e também as reais implicações das individualidades de cada uma delas. O direito à adoção é uma medida de proteção que possui um caráter humanitário.

No texto “Adoção: reflexões sobre o âmbito psicológico do menor e a aplicabilidade e procedimentos para a adoção a partir da Lei 12.010” Felipe do Amaral Scheuer e Daniel Hedlund Soares das Chagas, refletem o processo de adoção que, na maioria das vezes, exige uma fase preliminar de preparação e inscrição das partes interessadas. O capítulo traz que o incentivo à adoção é muito importante, pois é um gesto de carinho, amor e afeto; é um gesto humano que deve ser respeitado e admirado por todos, ressaltando que a intervenção técnica é muito importante no processo de adoção.

No artigo “Dominações simbólicas presentes no ato de informar responsáveis pela autocensura” Viviane Teresinha Biacchi Brust, Rosane Rodrigues Felix, Ieda Márcia Donati Linck e Daniela da Silva, discutem sobre o papel do jornalista e sua responsabilidade social através das publicações, evidenciando fatores que atrapalham o desenvolvimento ou o trabalho desse profissional, visto que o Jornalismo é o Quarto Poder e não poderia estar vinculado aos outros três. O capítulo reforça que a liberdade de expressão é garantida pela Constituição Federal, e as habilidades do profissional jornalista são, dentre elas, denúncia, investigação e formação de opinião.

Bianca Paveglio Soldatelli e Mariela Camargo Masutti, no texto “Moradia estudantil em co-living para o município de Ijuí: conexões através da arquitetura”, analisam a carência do mercado imobiliário atual no Brasil em suprir a demanda por habitações de cunho estudantil e que agreguem baixo custo, segurança, conforto ambiental, integração e sustentabilidade. O capítulo traz uma nova tipologia alternativa às tradicionais repúblicas vem tomando espaço no cenário atual – os co-livings, através da na produção de um anteprojeto arquitetônico para o município de Ijuí – RS.

No texto “Reflexos da relação do ser humano com sua moradia durante a pandemia” Abel Vinicius Machado Caetano da Silva, Pâmela Padilha Silveira e Cristhian Moreira Brum, refletem as características atuais da nova realidade e abrem discussões sobre as condições das moradias, no sentido se elas suprem todas as necessidades de seus moradores. O capítulo traz a observação e análise de 157 pessoas de diferentes regiões do país através de um questionário online com 34 questões de múltipla escolha. Também foram entrevistadas 5 pessoas da cidade de Pelotas – RS, cujo objetivo era fazer um relato pessoal sobre a quarentena e a sua relação com a sua moradia.

No artigo “Sustentabilidade cultural: reflexões acerca da história, memória, identidade e pertencimento no âmbito da preservação ambiental” Matheus Mendonça da Rocha, Jocimara Knop, Tarcisio Dorn de Oliveira e Bruna Fuzzer de Andrade, refletem a preservação da arquitetura por meio da sustentabilidade cultural e suas interações com a história, memória, identidade e pertencimento no âmbito da preservação ambiental. O capítulo observa fundamental a efetiva preservação dos lugares que possuem referência, haja vista, que esses são fundantes no elo com a história e com o passado, pois fazem parte desses e dão subsídios para a compreensão da formação sócio-cultural das cidades.

Por fim, a Parte III – Educação, Ensino e Aprendizagem é composta por cinco capítulos que cuidadosamente abordam temáticas sobre metodologia didática, formação de professores, ensino da arquitetura hospitalar, ensino da matemática e prática docente.

No texto “A metodologia didática aplicada na aprendizagem da disciplina de arquitetura e urbanismo para o curso de engenharia civil: um anteprojeto residencial unifamiliar” Greice Silveira Winche, Rodrigo Strieder, Maria Aparecida Santana Camargo e Mariela Camargo Masutti, entendem que a integração entre a arquitetura e a engenharia é essencial ao setor da construção, já que a atribuição de realizar projetos arquitetônicos também é concedida ao profissional de engenharia civil. O capítulo apresenta a metodologia aplicada na disciplina de Arquitetura e Urbanismo I para acadêmicos do Curso de Engenharia Civil e visa elencar os métodos de produção projetual desenvolvidos, tendo como principal resultante a aprendizagem adquirida pelos graduandos e o desenvolvimento do processo teórico, técnico e criativo.

Denise da Costa Dias Scheffer e Dieison Prestes da Silveira, no texto “Formação de professores: concepções formativas acerca da educação moderna”, buscam refletir acerca da temática formação de professores, com vistas a construir um campo teóricoinvestigativo.

O capítulo aponta que a formação de professores é uma temática emergente e necessita de constantes debates, visando compreender quais saberes são necessários na atualidade. Por meio disso, pensa-se em estratégias didático-pedagógicas para mediar o conhecimento dentro dos ambientes educacionais.

No artigo “O ensino da arquitetura hospitalar: relatos & ensaios” Cristhian Moreira Brum, Lauren Nicole Gonçalves Duarte, Fernanda Corrêa da Silva e Abel Vinícius Machado Caetano da Silva, trazem que o ensino da arquitetura hospitalar, nas escolas de arquitetura e urbanismo, objetiva ir além de suprir tais demandas comumente trabalhadas; o profissional, quando projeta um ambiente assistencial, visa atender os diferentes usuários que ali estarão, pensando em meios de proporcionar uma estadia o menos dura possível. A humanização dos espaços hospitalares, é um exemplo disso. É um exercício fundamental de participação cidadã, que se dissemina por diversos meios, como social e cultural, adquirindo força para construir um espaço, um lugar de cura.

Anne Desconsi Hasselmann Bettin e Valdir Pretto, no texto “Reflexões sobre o ensino da matemática e as tecnologias”, refletem sobre o ensino da matemática e as tecnologias, tanto em relação ao ensino e à aprendizagem de alunos quanto em relação à formação continuada de professores, evidenciando sua importância no ensino da matemática e buscam descrever algumas tecnologias que podem ser usadas no processo de ensino e aprendizagem.

No texto “Sentidos em curso e efeitos de sentido na prática docente registrada” Ieda Márcia Donati Linck, Maria Aparecida Santana Camargo, Rosane Rodrigues Felix e Viviane Teresinha Biacchi Brust, pensam a formação continuada no exercício da prática docente passa por, pelo menos, duas considerações: (1) revisitar os educadores e pensadores, re-cortando suas contribuições teóricas acerca da temática em questão e (2) discutir como essa pode se processar na prática docente. Para esse objetivo, este texto incursiona pelos sentidos alcançados por essa expressão no campo da educação, em seus possíveis desdobramentos, no mesmo campo, mas associando-os, dialeticamente, como questões implicadas nas práticas educativas.

Boa leitura a todos!
Rio Grande do Sul, 16 novembro de 2020.
Cristhian e Tarcisio

Anúncios

Deixe uma resposta