Diário-poema-imagem

Catarina Andrade

Esses poemas-imagens em forma de diário surgiram em mim após uma semana de confinamento em decorrência da Pandemia Covid- 2019. Surgiram de forma espontânea, em alguém que nunca teve por hábito escrever poemas, sendo mais propensa a outros gêneros em que as palavras são mais abundantes, como conto ou crônica; embora também não os escreva de maneira cotidiana ou sistemática. Não sou escritora, para começar. Porém, no dia 23/03/2020, acordei, forrei minha cama e tive vontade de usar meu bloco de anotações para colocar algumas palavras que queriam sair de mim. O bloco ficou ali em cima da cama e foi assim que decidi fotografar lado a lado as palavras e a imagem do bordado da colcha que foi da minha mãe e de quem eu já estava com muita saudade de abraçar.

Sem grandes pretensões, publiquei na minha linha do tempo do Instagram e algumas amigas e alguns amigos me enviaram mensagens e comentários estimulando a continuar. E assim aconteceu por 52 dias corridos, em que essas palavras e imagens pulsavam, dando sentido, de algum modo, aos sentimentos que me tomavam (e ainda me tomam) no isolamento. Em alguns dias, as palavras me vinham e eu me sentava e escrevia, em outros eu que me sentava e ficava esperando ou procurando por elas. Em outras vezes, ainda, elas chegavam pelas imagens dos tecidos, de ilustrações, de superfícies de objetos, todos dentro do universo da minha casa.

Nesta publicação, selecionei 20 dos diários-poemas-imagens, respeitando, no entanto, uma necessidade minha de marcar a temporalidade, preservando o primeiro e o último, assim como colocando-os em ordem cronológica, já que se trata de um diário. Enfim, espero que essas palavras e imagens – inseparáveis para mim – possam atravessar outras pessoas, possíveis leitores e

leitoras e espectadores e espectadoras, nos aproximando, quem sabe, nesse mundo que nos quer isoladas e isolados.

Catarina Andrade tem 37 anos, é mãe de Valentina e Isadora. Sente muita falta principalmente de ir ao cinema, ao teatro e à praia. Gosta muito de ler e escrever, embora escreva mais profissionalmente (artigos científicos, sobretudo), do que por prazer. Além disso, é Doutora em Comunicação/Cinema pela UFPE, Professora Adjunta do Departamento de Letras/UFPE, vice- líder do Grupo de Pesquisa Laboratório de Experiência, Visualidade e Educação (LEVE), e colaboradora do Programa de Pós-graduação em Comunicação PPGCOM/UFPE e da Pós- graduação Narrativas Contemporâneas da Fotografia e do Audiovisual, da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). É autora dos livros Corpos e paisagens – construção de memória e identidade em imagens e narrativas do Cinema de Claire Denis e Abdellatif Kechiche (2020) e As fronteiras da representação – imagens periféricas no cinema francês contemporâneo (2014) e co-autora, entre outros, dos livros Fotografia e Audiovisual: imagens e pensamentos (2020), Comunicação e Interculturalidade – Educação, novas tecnologias e linguagem (2018); Cinema, Globalização, Transculturalidade (2013); Filmes da África e da Diáspora (2012). cati.andrade@gmail.com.

Anúncios